Especial
Transexual ilheense luta pela alteração do nome em registro civil
Paloma Bruny

Crédito: Arquivo Pessoal

O Supremo Tribunal Federal, no último mês, decidiu permitir a alteração do nome dos transexuais e transgêneros no registro civil sem a necessidade de realização de cirurgia de mudança de sexo. A maioria dos ministros decidiu também que não será preciso autorização judicial para que o transexual requisite a alteração no documento, que poderá ser feita em cartório. Essa decisão é um marco importante para a comunidade LGBTs, que luta pela garantia dos seus direitos reconhecidos.

Pela decisão do STF o cartório não expediria uma nova certidão de nascimento para transexuais, mas mudaria os dados no documento já existente. O motivo da mudança ficaria sob sigilo no cartório. Ministros que defendem a mudança de nome por decisão judicial sugeriram que o juiz expedisse ofício a todos os órgãos públicos para comunicar a alteração – como a Justiça Eleitoral, que emite o título de eleitor; a Polícia Civil, com a carteira de identidade; e a Polícia Federal, com o passaporte.

A nova lei é válida em todo Brasil. O Grupo Eros, através do presidente Waltecio Costa, realiza o primeiro caso da cidadã ilheense, Paloma Bruny, que luta para ser reconhecida no registro civil como seu nome de escolha. O grupo Eros em apoio a Paloma deu entrada no recurso da Lei. “Desejamos a todos transexuais e transgêneros muitas felicidades com esse direito garantido. O Grupo Eros está de coração aberto para recebê-los com carinho, respeito e admiração”, informa Waltecio Costa, presidente do Grupo Eros de Ilhéus.

Paloma Bruny como é conhecida por todos os amigos e familiares, já realizou a cirurgia de resignação sexual, mas de acordo com a nova lei, qualquer pessoa maior de idade que se autodeclare transexual ou transgênero, pode solicitar a mudança no cartório, sem a necessidade da cirurgia. Segundo Paloma é constrangedor conviver nessa situação, com aparência feminina e com o nome e gênero masculino nos documentos. “Às vezes evito ir a certos lugares, pelo fato de exigir documentos, é como seu eu não existisse, não vejo a hora de ser reconhecida de fato, como eu me vejo. É um direito meu, devemos lutar por direitos iguais” afirma Paloma. (Matéria especialmente produzida pelo jornalista Danilo Silveira)


Paloma Bruny

Crédito: Arquivo Pessoal

 
Mais Notícias
   13/3/2018 - Dona Conceição e o dia que a felicidade foi completa
   13/4/2017 - Dona Carmosina, os 100 anos de uma mulher de crença e de fé
   30/1/2017 - Sarau da Yrerê chega à quarta edição com arte, cultura e gastronomia
   30/1/2017 - Nazaré completa oito meses sem registro de homicídios
   3/1/2017 - A arte sem regras de Guido Lima, o artista da liberdade que expõe Brasil afora
   11/7/2016 - Projeto devolve autoestima a mulheres diagnosticadas com câncer de mama‏
   17/5/2016 - Experiências criativas traçam ações para calendário turístico e econômico
   24/4/2016 - Mirantes que revelam a beleza de Ilhéus estão abandonados
   11/4/2016 - Portugal redescobre o Brasil através dos chocolates finos do sul da Bahia
   16/3/2016 - Obra da barragem sobre o Rio Colônia recomeça com desvio de rodovia‏
   29/1/2016 - Yrerê é um belo exemplo de como fazer Turismo Rural na região cacaueira
   13/1/2016 - Vocalista do Kart Love participa de campanha que valoriza a gentileza e o amor
   30/10/2015 - Por onde anda o Reúne Ilhéus? Um dos seus líderes, responde
   14/10/2015 - Professora desperta o gosto pela Sociologia com o encanto da fotografia‏
   4/9/2015 - Programa de Referência à Saúde do Idoso é destaque em Itabuna‏
   22/8/2015 - A semente de um bom negócio dá bons frutos ao agricultor familiar de Itabuna
   19/8/2015 - Governo reduzirá prazo de estoque de cacau e incrementará produção de chocolate
   12/8/2015 - Atriz Cláudia Rodrigues passa férias em Ilhéus
   11/6/2015 - Levantamento de área pode estabelecer a paz entre índios e produtores
   13/5/2015 - ´É possível o controle da hanseníase´, garante especialista



© Jornal Bahia Online | Todos os direitos reservados.   Layout