Especial
Transexual ilheense luta pela alteração do nome em registro civil
Paloma Bruny

Crédito: Arquivo Pessoal

O Supremo Tribunal Federal, no último mês, decidiu permitir a alteração do nome dos transexuais e transgêneros no registro civil sem a necessidade de realização de cirurgia de mudança de sexo. A maioria dos ministros decidiu também que não será preciso autorização judicial para que o transexual requisite a alteração no documento, que poderá ser feita em cartório. Essa decisão é um marco importante para a comunidade LGBTs, que luta pela garantia dos seus direitos reconhecidos.

Pela decisão do STF o cartório não expediria uma nova certidão de nascimento para transexuais, mas mudaria os dados no documento já existente. O motivo da mudança ficaria sob sigilo no cartório. Ministros que defendem a mudança de nome por decisão judicial sugeriram que o juiz expedisse ofício a todos os órgãos públicos para comunicar a alteração – como a Justiça Eleitoral, que emite o título de eleitor; a Polícia Civil, com a carteira de identidade; e a Polícia Federal, com o passaporte.

A nova lei é válida em todo Brasil. O Grupo Eros, através do presidente Waltecio Costa, realiza o primeiro caso da cidadã ilheense, Paloma Bruny, que luta para ser reconhecida no registro civil como seu nome de escolha. O grupo Eros em apoio a Paloma deu entrada no recurso da Lei. “Desejamos a todos transexuais e transgêneros muitas felicidades com esse direito garantido. O Grupo Eros está de coração aberto para recebê-los com carinho, respeito e admiração”, informa Waltecio Costa, presidente do Grupo Eros de Ilhéus.

Paloma Bruny como é conhecida por todos os amigos e familiares, já realizou a cirurgia de resignação sexual, mas de acordo com a nova lei, qualquer pessoa maior de idade que se autodeclare transexual ou transgênero, pode solicitar a mudança no cartório, sem a necessidade da cirurgia. Segundo Paloma é constrangedor conviver nessa situação, com aparência feminina e com o nome e gênero masculino nos documentos. “Às vezes evito ir a certos lugares, pelo fato de exigir documentos, é como seu eu não existisse, não vejo a hora de ser reconhecida de fato, como eu me vejo. É um direito meu, devemos lutar por direitos iguais” afirma Paloma. (Matéria especialmente produzida pelo jornalista Danilo Silveira)


Paloma Bruny

Crédito: Arquivo Pessoal

 
Mais Notícias
   9/4/2015 - Chocolate de Origem chega ao mercado com proposta de ser alimento funcional
   18/1/2015 - Favelização e descaso formam novo cenário do centro de Ilhéus
   16/1/2015 - Cabeça de robalo, o manjar dos deuses
   15/1/2015 - Projeto de Rádio Livre na Aldeia Indígena Tupinambá inicia oficinas‏
   12/1/2015 - Fotógrafa ilheense é a nova sensação no Espírito Santo
   6/1/2015 - Ex-escravo planta árvores e completa 100 anos ´se preparando para a velhice´
   11/12/2014 - O delicioso sabor de um roteiro sustentável
   13/11/2014 - Cachaça de Abaíra tem prestigio reconhecido através de Indicação Geográfica
   7/11/2014 - Em Salvador, Casa onde Jorge Amado morou abre como memorial nesta sexta
   18/7/2014 - Uma aventura da nascente à foz no Velho Chico de bike
   15/7/2014 - Rota do Vinho fortalece turismo gastronômico no Vale do São Francisco
   7/7/2014 - Aumento do número de cáries em crianças preocupa os dentistas
   28/6/2014 - Por dia, cerca de 8.500 veículos poderão trafegar pela nova ponte; se ela sair
   28/6/2014 - Ilhéus festeja 480 anos como um dos berços da cultura na Bahia e no Brasil
   27/6/2014 - Ilhéus, quase 500 anos de História
   29/5/2014 - Estudo revela que dor lombar atinge mais mulheres que homens
   29/5/2014 - Campanha publicitária com cantor baiano será alterada por ofender mulheres
   29/5/2014 - 5 mil jovens baianas já engravidaram até março deste ano
   23/5/2014 - Com métodos cada vez menos invasivos, a Odontologia se alia às novas tecnologias
   22/5/2014 - Anvisa reconhece os benefícios dos produtos fitoterápicos



© Jornal Bahia Online | Todos os direitos reservados.   Layout