Meio Ambiente
Despoluição do rio Cachoeira é uma prioridade para Itabuna, diz governo
Projeto estima custo de R$ 200 milhões

Crédito: Arquivo/Ed Ferreira

O projeto de despoluição do rio Cachoeira, uma obra com um custo estimado de R$ 200 milhões, foi discutido pelo secretário de Desenvolvimento Urbano, Francisco França e pelo presidente da Emasa, Jader Guedes, que estiveram reunidos com o prefeito Fernando Gomes e os engenheiros Francisco Lima, da FH Engenharia Ambiental e Edgar Alves, da Trento Engenharia para retomada de um projeto paralisado no governo passado. Do encontro também participaram o diretor técnico da Emasa, João Bitencourt e o gerente de projetos da empresa Ângelo Lucena, que discutem um projeto prioritário para o governo municipal, ao lado da conclusão da barragem do rio Colônia.

O grupo deverá voltar a se reunir ainda nos próximos dias e o prefeito Fernando Gomes também deve anunciar a criação de uma comissão para estudar uma parceria público privada para implementar o plano municipal de saneamento  e solução definitiva do abastecimento de água e de saneamento básico para Itabuna, cidade de 220 mil habitantes. Ele também quer uma alternativa para redução das perdas de água, que hoje é estimada  em 55%, quando o ideal seria de apenas 20%, o que vai exigir a substituição da rede de distribuição.

O secretário Francisco França considera que a reunião representa um avanço e serve para definir a retomada de um projeto de esgotamento sanitário que estava inexplicavelmente engavetado. A ideia segundo ele é atrair investimentos da área federal para o tratamento de todo o esgoto de Itabuna e que hoje é drenado para o Cachoeira, contemplando inclusive áreas densamente povoadas como os bairros da Califórnia e de Fátima.

O presidente da Emasa, Jade Guedes lamentou que o projeto estivesse paralisado há quatro anos, lembrando que se ele estivesse concluído o município já poderia contratar recursos para a sua execução, com um custo estimado de R$ 200 milhões junto ao Ministério das Cidades. “O governo municipal ainda deixou uma dívida de R$ 40 mil com a empresa responsável pela elaboração do projeto técnico, o que é uma irresponsabilidade”, finalizou. 


Projeto estima custo de R$ 200 milhões

Crédito: Arquivo/Ed Ferreira

 
Mais Notícias
   18/5/2017 - Comitê de Bacias debate situação hídrica em Coaraci
   9/5/2017 - Programa de Proteção às Nascentes de rios lançado em Ilhéus
   5/5/2017 - ´Paredões´ em Ilhéus têm dia, hora e normas para acontecer a partir de agora
   3/5/2017 - Itabuna comemora o Dia do Pau-Brasil com o plantio de mudas
   14/4/2017 - Três praias impróprias para banho neste feriado da Semana Santa
   10/4/2017 - ‘Projeto Praia Limpa’ ganha apoio e mutirão da Prefeitura
   29/3/2017 - Empreendimento de alta categoria é embargado no litoral sul
   22/3/2017 - Carros-pipa não serão reduzidos na Bahia; seca castiga
   10/3/2017 - 130 ton de lixo por dia são coletadas em Ilhéus; cidade pode administrar aterro
   8/3/2017 - Em Ilhéus, postos de combustíveis devem regularizar licença ambiental até dia 20
   10/2/2017 - Representantes do governo alemão visitam Unidades de Conservação sulbaianas
   27/1/2017 - Três praias de Ilhéus impróprias para banho neste final de semana
   27/1/2017 - MPF quer demolição imediata e indenização de barraca de praia em Porto Seguro
   16/1/2017 - Cooperativa do sul da Bahia é finalista de Edital sobre sustentabilidade
   16/1/2017 - MP sugere parar retirada da ´restinga´ na Litorânea Norte
   6/12/2016 - Renovada licença ambiental da construção da Unidade do Sesi-Senai
   9/11/2016 - Apresentada proposta de zoneamento do Morro de Pernambuco em Ilhéus‏
   26/8/2016 - 3ª Edição do Fórum das Águas apresentará ações sustentáveis‏
   25/8/2016 - Ilhéus debate transferência da gestão das praias da União para os municípios‏
   30/7/2016 - Estudantes aprendem sobre preservação ambiental em visita ao Morro de Pernambuco



© Jornal Bahia Online | Todos os direitos reservados.   Layout