Artigos
A (boa) interação entre o público e o privado
Walmir Rosário

Crédito: Divulgação/Waldyr Gomes

Em tempo de recursos cada vez mais escassos, só resta aos municípios brasileiros buscar novos paradigmas de administração pública. Há muito não se consegue junto aos governos Federal e estaduais recursos suficientes para atender as necessidades mais prementes dos municípios, com responsabilidades crescentes no atendimento à população.

Aquele modelo de simples crescimento, calcado na implantação de obras sem planejamento não mais funciona hoje. A população, embora cada vez mais pobre e sem perspectivas, possui modernos instrumentos de comunicação rápidos e eficientes: as chamadas redes sociais, disponíveis em qualquer smartfone conectado a internet.

E o avanço tecnológico provocou uma mudança comportamental em toda a população, sem distinção da sua estratificação econômica e social. Determinada pessoa pode até não saber analisar determinada situação de forma pedagógica, mas tem o conhecimento do fato e sua metodologia de discernimento é o caixa do supermercado.

Daí, o cuidado redobrado do governante em mudar seus conceitos: ao invés do simples e atrasado crescimento, terá que perseguir o desenvolvimento, adotando o planejamento municipal e não só o das finanças, como sempre aconteceu. Qual a cidade que queremos, quais os recursos que dispomos e quais as nossas prioridades?

Tudo isso deverá estar contemplado no Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (PDDU) como linha mestra a ser seguida. Para elaborá-la, ou reformá-la, precisamos do apoio de técnicos especialistas em cidades e vontade política de executar suas recomendações, transformadas em lei balizadora do zoneamento urbano.

Agora, passados 10 anos da aprovação do Plano Diretor Urbano Municipal, é hora de recolocar Canavieiras no caminho do desenvolvimento, com propostas dentro de novas perspectivas. Para tanto, é primordial instrumentalizar o processo com uma política urbana concreta, baseada na vocação econômica e nas possibilidades futuras.

E parceiros para essa monumental empreitada não faltam. Temos hoje na região a Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), com conhecimento acumulado sobre nossos municípios, e a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), com uma proposta acadêmica diferenciada, o que a permite atuar de acordo com a realidade local.

Abrindo um parêntese, essa é a segunda grande oportunidade de Canavieiras integrar o rol dos municípios turísticos de fluxo perene. O primeiro foi o Projeto Canes (Complexo de Atividades de Natureza Econômica e Social), elaborado em 1990 pelos urbanistas André Sá e Francisco Mota e o economista Paulo Gaudenzi.

Nas ações complementares ao projeto Canes, a desapropriação de áreas no centro e na Ilha da Atalaia, para a implantação de hotéis, pousados e cabanas de praias padronizadas, bem como unidades residenciais. O Projeto Canes foi o primeiro grande vetor do desenvolvimento turístico de Canavieiras, proposta era a de transformá-la numa cidade que conseguisse reunir todas as condições de oferecer ao turista uma hospitalidade de primeira linha.

O Projeto Canes contemplava todos os segmentos empresariais – grandes, médios e pequenos – e foi lançado com uma ampla campanha de marketing, que tinha como slogan: “Canavieiras para todos, Canes para os íntimos”. Não bastava apenas implantar as ações para estimular a vinda dos empreendedores, mas que eles fossem diversificados e capazes de atender todas as demandas das alta e baixa temporada.

Passado o mandato, o sucessor não prosseguiu com a mesma política de atração de empreendedores, em especial para o segmento turístico, implantando-os em áreas especiais. O planejamento deu lugar ao achismo e Canavieiras perdeu, à época, uma grande oportunidade de se consolidar como um polo turístico perene.

Proferindo palestra no 3º Congresso da Ampesba, em Itabuna, o prefeito Almir Melo ressaltou que não basta a uma cidade explorar o turismo com as belezas naturais, sem uma completa infraestrutura pública e privada. No entender do prefeito, o turismo deve ser visto e praticado de forma integrada, do contrário ele não voltará e nem indicará aos amigos.

Para tanto, é preciso elaborar um calendário de eventos – fixos e móveis e eventuais – que agrade às mais diferentes culturas, ser hospitaleiro, dispor de boas acomodações e excelente gastronomia e capacitar mão de obra. Além de tratar bem o turista, a cidade deve transmitir confiança nos serviços públicos, como saúde e infraestrutura.

Agora, com a possibilidade de revisão do PDDU, Canavieiras poderá ser a “bola da vez”, com a oportunidade de elaborar um planejamento com técnicos de reconhecida competência, com respaldo das academias. E, de novo, a ocasião poderá reunir o economista Juvenal Maynart, especialista em planejamento de cidades e o Magnífico Reitor Naomar Monteiro Almeida Filho.

Não é por acaso que o destino – ou as oportunidades – conspiram a favor de Canavieiras. Enquanto Juvenal Maynart poderá contribuir com a condução dos trabalhos de planejamento, o reitor Naomar Monteiro terá o condão de implantar o Colégio Universitário, proporcionando a geração do conhecimento que a cidade necessita para promover o desenvolvimento.

Desenvolvimento, e não o simples crescimento baseado em alguns números e estatísticas, é o que nossas cidades precisam para promover oportunidades a todos os segmentos sociais. No caso de Canavieiras, o turismo que se avizinha é o da melhor idade e ecumênico, bastando, apenas que a cidade ofereça todas os serviços que esses turistas se sintam em casa.

É apenas uma questão de vontade política e inteligência para aglutinar o interesse dos diversos segmentos econômicos e sociais na forma de investimentos públicos e privados, com a política e a economia sendo colocada a serviço do povo. Isto demonstrará o amadurecimento da sociedade local, com um novo olhar sobre a cidade, abandonando velhos hábitos políticos e privilegiando Canavieiras como ente federativo.

O autor Walmir Rosário é jornalista e advogado


Walmir Rosário

Crédito: Divulgação/Waldyr Gomes

 
Mais Artigos
   19/4/2017 - Um fato da vida!
   10/4/2017 - Os Reis D’Óbidos
   8/4/2017 - A invenção do Chocolate da Mata Atlântica
   5/4/2017 - Lights out
   22/3/2017 - Talvez o Guilherme Arantes...
   16/3/2017 - Mélanie Ségard
   9/3/2017 - Inovação no cacau da Mata Atlântica
   8/3/2017 - De novo, a implicância com o sino!
   3/3/2017 - José Adervan - foi o homem, fica sua história
   18/2/2017 - Policial Militar - Lutar ou Morrer?, por Reginaldo Silva
   16/10/2016 - A felicidade está na caminhada
   22/7/2016 - Piedade Centenária, minha reverência
   20/7/2016 - Algumas contribuições a um debate programático para Ilhéus
   9/5/2016 - Redescobrindo o Sul da Bahia
   10/4/2016 - Assassinato de mulheres, um crime contra a sociedade
   26/2/2016 - Firmemente, estamos ao lado da Ceplac
   9/2/2016 - A inveja, madrasta do sucesso, por Alcides Kruschewsky
   8/2/2016 - Coesão entre países lusófonos, por Bruno Peron
   27/1/2016 - A UFSB e os Complexos Integrados de Educação‏
   27/1/2016 - Porto Sul não é alternativa, é complemento



© Jornal Bahia Online | Todos os direitos reservados.   Layout