Especial
Favelização e descaso formam novo cenário do centro de Ilhéus
Um apanhado dos problemas registrados pelo JBO

Crédito: JBO/Maurício Maron

É natural que todo mundo queira ganhar um dinheirinho extra na alta estação. Mas imagine que se, para isso, cada um resolvesse ocupar, sem organização ou planejamento, um espaço público, sem que houvesse um estudo prévio da Prefeitura ou das autoridades competentes sobre a possibilidade de funcionamento de novas atividades comerciais na área.

O resultado - imagina-se - não dá para ser outro: favelização de um espaço que, na essência, deveria servir como atrativo para moradores e visitantes.

É justamente isso que está acontecendo no Centro Histórico de Ilhéus e nas praias mais movimentadas do centro.

Dezenas de estruturas improvisadas foram montadas, nos últimos dias, sem o mínimo controle do setor de Fiscalização da Prefeitura. O comércio informal tomou conta do entorno das praias. Barracas improvisadas comercializam livremente alimentos, sem o aval da Vigilância Sanitária. Carros circulam livre - e ilegalmente - pela areia, dividindo espaço com banhistas. Enquanto isso, para não perder a "guerra", restaurantes regulares da orla, criam "puxadinhos" na areia para atender a quem prefere estar mais próximo ao mar.

Na avenida Soares Lopes, que um dia já foi o principal cartão-postal de Ilhéus, "novos negócios" não páram de surgir, aproveitando o grande fluxo de pessoas que circulam na artérias.

Muitos chegaram anos atrás e foram ficando. Outros, agora, sem prazo para sair.

Visitando a cidade pela primeira vez, o mineiro Arlindo Costa elogia a beleza natural de Ilhéus. Mas critica a desorganização das ruas. "Tem lugares que realmente não dá nem vontade de entrar e arriscar", assume.

Fora tudo isso, o número de pedintes nas ruas "assustou" o visitante. "Estão por todo lugar", afirmou.

Enquanto a reportagem do Jornal Bahia Online ouvia Arlindo, uma pedinte, que tradicionalmente frequenta as escadarias da Catedral de São Sebastião, discutia e xingava uma turista que não quis lhe dar uma moeda. "Vai embora, sua m..., desgraçada. Vai se f...", gritava.


Um apanhado dos problemas registrados pelo JBO

Crédito: JBO/Maurício Maron

 
Mais Notícias
   13/4/2017 - Dona Carmosina, os 100 anos de uma mulher de crença e de fé
   30/1/2017 - Sarau da Yrerê chega à quarta edição com arte, cultura e gastronomia
   30/1/2017 - Nazaré completa oito meses sem registro de homicídios
   3/1/2017 - A arte sem regras de Guido Lima, o artista da liberdade que expõe Brasil afora
   11/7/2016 - Projeto devolve autoestima a mulheres diagnosticadas com câncer de mama‏
   17/5/2016 - Experiências criativas traçam ações para calendário turístico e econômico
   24/4/2016 - Mirantes que revelam a beleza de Ilhéus estão abandonados
   11/4/2016 - Portugal redescobre o Brasil através dos chocolates finos do sul da Bahia
   16/3/2016 - Obra da barragem sobre o Rio Colônia recomeça com desvio de rodovia‏
   29/1/2016 - Yrerê é um belo exemplo de como fazer Turismo Rural na região cacaueira
   13/1/2016 - Vocalista do Kart Love participa de campanha que valoriza a gentileza e o amor
   30/10/2015 - Por onde anda o Reúne Ilhéus? Um dos seus líderes, responde
   14/10/2015 - Professora desperta o gosto pela Sociologia com o encanto da fotografia‏
   4/9/2015 - Programa de Referência à Saúde do Idoso é destaque em Itabuna‏
   22/8/2015 - A semente de um bom negócio dá bons frutos ao agricultor familiar de Itabuna
   19/8/2015 - Governo reduzirá prazo de estoque de cacau e incrementará produção de chocolate
   12/8/2015 - Atriz Cláudia Rodrigues passa férias em Ilhéus
   11/6/2015 - Levantamento de área pode estabelecer a paz entre índios e produtores
   13/5/2015 - ´É possível o controle da hanseníase´, garante especialista
   9/4/2015 - Chocolate de Origem chega ao mercado com proposta de ser alimento funcional



© Jornal Bahia Online | Todos os direitos reservados.   Layout