Artigos
O legado das cooperativas baianas para o Brasil
Cergio Tecchio

Crédito: Divulgação

A preocupação com a comunidade está e sempre esteve no DNA dos cooperativistas. Para pessoas com um sonho em comum, que se associam em um empreendimento cooperativo, buscar a felicidade dos cooperados é também nunca esquecer daqueles à sua volta, em suas mais diversas privações. E por essa natureza colaborativa, o movimento cooperativista viu a oportunidade de unificar seus esforços em uma grande corrente do bem. Foi assim que surgiu o Dia de Cooperar, mais conhecido como Dia C.

O Dia de Cooperar nasceu em Minas Gerais, em 2009, e logo ganhou o Brasil. Nessa trajetória, os últimos cinco anos foram cruciais para transformar o Dia C em um grande programa nacional capaz de promover iniciativas socioambientais e assim transformar realidades em todo o país.

Mais recentemente, o Dia C ganhou força ao contribuir com seus projetos para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Para quem ainda não os conhece, são 17 objetivos e 169 metas estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU) por um mundo mais justo e menos desigual, que devem ser atingidas pelos países signatários até 2030.

E as cooperativas, preocupadas com o legado que vão deixar para as próximas gerações, oferecem voluntariamente sua contribuição por meio de projetos que promovem educação de qualidade, democratização da cultura, acesso à saúde, cuidado ao meio ambiente e muitas outras iniciativas, conforme a necessidade local. Em 2017, a meta é beneficiar mais de um milhão de pessoas em projetos contínuos.

Os números não nos deixam mentir sobre a efetividade do Dia C. Em 2016, 1278 cooperativas desenvolveram 1.180 projetos com a mobilização de mais de 86 mil voluntários. Essas atividades foram realizadas em 777 cidades espalhadas por todos os estados e no Distrito Federal. Na Bahia, o Sistema OCEB mobilizou 45 cooperativas, que empreenderam 44 projetos de voluntariado ao envolver 2749 voluntários. Com isso, 20 mil pessoas, em 35 municípios do Estado foram beneficiadas.

Portanto, as cooperativas possuem um impacto muito positivo nos locais em que estão inseridas e, consequentemente, colaboram por um mundo justo e igualitário. A preocupação de todos nós, cooperativistas, está focada no mundo que vamos deixar para as próximas gerações.

O autor Cergio Tecchio é presidente do Sistema Oceb

 


Cergio Tecchio

Crédito: Divulgação

 
Mais Artigos
   13/9/2017 - Mais que violência – brutalidade
   6/9/2017 - Sou brasileiro, sou solidário!
   29/8/2017 - Nem Rio de Janeiro nem Haiti, a violência também impera aqui
   22/8/2017 - A utopia canavieirense
   3/8/2017 - Mandioca, o exemplo que vem do Sul
   20/7/2017 - Na democracia é bem melhor
   11/7/2017 - Chocolate é comida de boi
   6/6/2017 - Aguenta o tranco, Brasil!
   4/6/2017 - Variações sobre o mesmo tema
   1/6/2017 - Greve de vigilantes ou de bancos?
   20/5/2017 - Como será?
   3/5/2017 - O Castigo de Clemente
   25/4/2017 - Mudam–se os costumes; nem sempre para melhor
   23/4/2017 - Zidane, Zizou
   19/4/2017 - Um fato da vida!
   10/4/2017 - Os Reis D’Óbidos
   8/4/2017 - A invenção do Chocolate da Mata Atlântica
   5/4/2017 - Lights out
   22/3/2017 - Talvez o Guilherme Arantes...
   16/3/2017 - Mélanie Ségard



© Jornal Bahia Online | Todos os direitos reservados.   Layout