Ana Virgínia Santiago
A Faxineira de Ilusões e a chuva
Ana Virgínia Santiago

Crédito: Divulgação

A chuva chega, branda,  com o seu mistério, dizendo de presença.

A Faxineira de Ilusões observa-a da varanda chegando ao chão...

A chuva cai e finaliza a sua missão, criando aquele bonito elo de abraçar, misturar, interligar movimentos de rios que se encontrarão e serão mar mais adiante... Pensativa, a sonhadora vê a natureza dando as suas lições e pensa como seria fácil para os homens, que têm alma, emoções e uma mente fantástica, fazerem o mesmo...abraçar, misturar desejos, corpos, sentimentos, idéias, interligar pensamentos e fazer movimentos para encontrar plenitude de vida e de amor.

A chuva traz o seu mistério, passando em nossas casas e nossos espíritos , esfriando todos os ânimos e almas que acreditam no amor e na paixão.

Quanta utopia! Quem crê no amor não vê máscaras na face de seu objeto de desejo e sentimento, nem enxerga dissimulação em cada gesto afetivo ou   familiar , magoando a quem não merece...

Quantos sonhos com asas feitas com a cera que enganou Ícaro, o sonhador que acreditava na possibilidade de voar... Quanto desconhecimento do poder do sol, que não vê nada nem ninguém que queira descansar...

A chuva traz a melancolia, irmã  faceira da dor, e, com elas, as lembranças malditas do desrespeito e desamor.

Quem gosta não desafia o seu objeto de afeição a olhar o espelho- virtual reflexo que não deixa de ser real, e comparar-se com alguém especial.

Por que não  esquecer as palavras ditas sob a bênção da exaltação,  de estímulos etílicos e também da  sobriedade?

Por que a tristeza no meu olhar-de-quem-não-via-mais-nada, que aprendeu a vislumbrar a esperança e agora torna a quedar ?

Por que a descrença retorna à sua casa – a minha alma! - eterno santuário de tantas dores maceradas, de tantos pedidos sufocados e de mágoas que não saem do coração?

A chuva modifica o  meu pensamento de  sonhadora e amarga Faxineira... Eu, uma faxineira simples que só quer viver e, também sonhar.

 O agora não traduz mais bonança tampouco alegria de ver o preenchimento de vida na natureza ou nas pessoas...Reflete a  aridez de minha vida que vaga por entre mundos não-visualizados e, insatisfeita, busca explicações para o não-ser.

Por que  essa tristeza retorna ao meu olhar de quem voltava a crer?

A chuva cai baixinho disfarçando a chegada da depressão ( ?!)que abraça a minha vida com ânsia e vontade de ficar eternizada...

Por que o aplauso pela destruição dos sentimentos, esperanças e encantos está buscando  sempre aconchego em minha essência ?

Serão deuses que apontam a sua ira para o meu coração e impunham armas divinizadas em direção certeira ao meu sentimento?

Não posso nem devo acreditar.... Conheço habitantes de Vênus...  Visito Centaurus ,com assiduidade, brinco com a Ursa Maior...

A chuva insiste em abrir o espaço do discernimento - que os meus sentidos teimosos não querem perceber - através de  cada  gota  (ou lágrimas dos anjos? ) que cai .

Chuva... chuva!

Este penetrante silêncio que me angustia, só é violado pelo barulho da natureza  que lamenta  mais uma perda.

Perda de quem ou de quê?

Este silêncio me diz muitas coisas...Ele é companheiro da nostalgia , paliativo para perdedores e desamados que se agarram a iludidas recordações, como um náufrago desesperado à tábua de salvação - intensa , presente  e enraigada no profundo sentimento de solidão que me acompanha.  Este silêncio  é acalanto para adormecer as belas vontades de amor que não possuem a varinha mágica e que pedem tão pouco, como uma moedinha na fonte dos desejos, apenas um desejo realizado.

A chuva é presença não permitindo que eu,  Faxineira de ilusões, varra os meus temores e possa sonhar com a possibilidade de, com o pensamento, preencher as lacunas expostas pelo destino, insistentes, insuportáveis vácuos que gritam a vontade de realizar, pelo menos um só querer.

Ela simboliza a misteriosa trajetória de limpar os prantos escondidos, fraturar  as mãos abertas, dilacerar os braços estendidos, execrar todos os sonhos, amontoando-os ao chão,  como um recado à enluarada Faxineira que tinha esperanças em abraçar as ilusões, a dizer que a sua função é arrastá-las, escondê-las e  amaldiçoá-las.

A chuva chegou com o seu mistério! E eu, Faxineira de Ilusões continuo a varrer os meus sonhos...

A autora Ana Virgínia Santiago é jornalista, poeta e cronista no sul da Bahia


Ana Virgínia Santiago

Crédito: Divulgação

 
Mais Notícias
   23/9/2017 - A Faxineira, as Estrelas e a necessidade de contemplar
   11/6/2017 - Um canto que é pranto meu!
   6/6/2017 - Devaneios da Faxineira de Ilusões e o Menino que se foi
   27/5/2017 - Monólogo da Faxineira de Ilusões II
   15/5/2017 - Fragmentos, a fuga do sono e os livros
   7/5/2017 - Faxineira de Ilusões - A Mulher e a solidão em um dia de reflexão
   13/2/2016 - Deixem Thayná em paz!
   14/12/2015 - Meus longes e as gavetas
   2/11/2015 - A volta e o Anjo
   17/4/2015 - Conversando com uma menina - Para Bárbara
   13/3/2015 - Tempo
   28/2/2015 - Fragmentos de Esperança
   21/2/2015 - Fragmentos, a fuga do sono e os livros
   14/2/2015 - A visita da esperança
   5/2/2015 - Reencontros com a Faxineira de Ilusões II
   31/1/2015 - Reencontros da Faxineira de Ilusões
   23/1/2015 - A chuva e as lembranças de uma mulher
   15/1/2015 - A Faxineira de Ilusões e a música do menino
   11/1/2015 - A manhã de sol e a morte da borboleta
   5/1/2015 - A incredulidade da Faxineira de Ilusões



© Jornal Bahia Online | Todos os direitos reservados.   Layout