Artigos
Um fato da vida!
Júlia Virgínia

Crédito: Divulgação

Todas as pessoas que me conhecem um pouco sabem como aprecio filmes antigos. Para isso minha explicação é muito simples: eles são cheios de verdades, mesmo quando buscam mentir. Não que os mais novos sejam de outra forma, mas os grandes filmes antigos, tiveram tempo de serem esquecidos e não foram porque sua ideologia, de alguma forma, ainda pesa.

Meu favorito “grande filme antigo” é de 1972, O Poderoso Chefão dirigido por Francis Ford Coppola. Trilogia indicada a uma dezena de Óscares, é considerada uma das obras mais relevantes da história do cinema. Pela estética, mas muito mais pelo enredo.

A vida dos Corleone é uma mistura de negócios, poder e família. Por ser uma estória passada a partir de 1945, uma parte nos Estados Unidos e outra na Itália, alguns dirão que é difícil fazer uma comparação justa com os nossos dias. Mas é aí, exatamente nesse ponto, que o meu “grande filme antigo” se torna ironicamente interessante.

Por questões estratégicas, os Corleone criavam alianças para enfraquecer oponentes, retribuíam e cobravam favores, apadrinhavam e fidelizavam, não descartavam a possibilidade do adversário de hoje ser o grande parceiro de amanhã, e mantiveram a família sempre dentro dos negócios.

A família, para Don Vito Corleone interpretado brilhantemente por Marlon Brando, estava em primeiro lugar. Era para a sua família o poder e os negócios. Cada membro tinha um cargo importante dentro da hierarquia estabelecida pelo grande-chefe-pai-avô-padrinho. Ninguém poderia questionar ou trair os negócios da família, com o risco de ser rapidamente excluído. O importante é manter a família ocupando cargos como peças fundamentais da engrenagem.

Os princípios defendidos pelos Corleone revelam aspectos muito semelhantes aos que vemos hoje em muitas instituições. Onde famílias inteiras formam o quadro de funcionários ou encabeçam as decisões. Cada membro com competência e formação para um cargo diferente. Daria um conto muito bonito se não fosse Nepotismo...

Segundo o Conselho Nacional de Justiça – CNJ, Nepotismo é o favorecimento dos vínculos de parentesco nas relações de trabalho ou emprego*. Trocando em miúdos, é quando nomeamos um parente para um cargo público passando por cima da questão de mérito e capacitação. Quando dizemos para sociedade que nosso primo-irmão-tio-avo-compadre deve exercer um cargo porque confiamos a ele decisões importantes e fundamentais independentemente da sua experiência e competência.      

Quantos cargos de confiança atribuídos por laços de sangue e sobrenome?! Quantas prefeituras foram tocadas carinhosamente pelo nepotismo?

As justificativas certamente serão muitas. Quando não se trata de cor, religião e gênero nós somos muito tolerantes. Assim como a estória dos Corleone, Nepotismo talvez seja ficção, ou como disse Eric Trump, em entrevista à revista Forbes, é “um fato da vida”.

A autora Júlia Virgínia é formada em Rádio e TV e tem mestrado em Cinema


Júlia Virgínia

Crédito: Divulgação

 
Mais Artigos
   18/10/2017 - Tecnologia é boa, mas...
   11/10/2017 - Os muitos pais da BR-415
   8/10/2017 - Um novo tempo para o Sul da Bahia
   5/10/2017 - Bancos! Ah, os bancos!
   13/9/2017 - Mais que violência – brutalidade
   6/9/2017 - Sou brasileiro, sou solidário!
   29/8/2017 - Nem Rio de Janeiro nem Haiti, a violência também impera aqui
   22/8/2017 - A utopia canavieirense
   3/8/2017 - Mandioca, o exemplo que vem do Sul
   20/7/2017 - Na democracia é bem melhor
   11/7/2017 - Chocolate é comida de boi
   26/6/2017 - O legado das cooperativas baianas para o Brasil
   6/6/2017 - Aguenta o tranco, Brasil!
   4/6/2017 - Variações sobre o mesmo tema
   1/6/2017 - Greve de vigilantes ou de bancos?
   20/5/2017 - Como será?
   3/5/2017 - O Castigo de Clemente
   25/4/2017 - Mudam–se os costumes; nem sempre para melhor
   23/4/2017 - Zidane, Zizou
   10/4/2017 - Os Reis D’Óbidos



© Jornal Bahia Online | Todos os direitos reservados.   Layout