Ana Virgínia Santiago
A visita da esperança
Ana Virgínia Santiago

Crédito: Divulgação

Em mais uma noite insone quando os sonhos parecem que criam asas reais e duelam com o corpo cansado que merece acalanto algo despertou a minha atenção.

Pousou em minha vida uma esperança...

Contudo não aquela tênue irrealidade que me abastece de quimeras, mas uma esperança, verde e frágil inseto, que insinua andar num balé delicado e etéreo.

Ela, a esperança sempre perpetuou a minha infância como um anunciar de belezas a chegar e hoje vem dizer ao meu ser amadurecido que continua distribuindo farpas de luz e lampejos de expectativas.

Ainda!

Precisava desta visita. O encanto que envolve o ser humano de sempre ver a vida a sorrir  descansou por um tempo em minha vida, talvez para insinuar que a força vem da crença e do empenho em lutar. Por isso eu precisava desta visita. Como um anunciar de sentimentos que chamamos do mesmo nome do verde e frágil inseto. Para eu não desistir da luta.

A esperança pousou de mansinho na tela do computador... Observando meigamente o seu pouso para não atrapalhá-la, deslizo os dedos pelo teclado (numa preocupação de paz e respeito pela visita) e deixo que sua presença faça o que quiser naquele instante congelado.

Lentamente, como se não tivesse pressa para andar ou voar, ela procurou o sem bem estar pisando as letras ...l, k, j, h...e fez  a minha imaginação acender e (re)ver ali uma brincadeira infantil - amarelinha - que tanto me encharcou de felicidade.

Ah! A importância da vida!

Hipnotizada pela cena dei as mãos à Lispector, a grande Clarice, que em uma crônica de 1969 também reverenciou a visita do verde e frágil ser...” mas como é bonito o inseto: mais pousa que vive, é um esqueletinho verde...”.

A esperança pousou em minha vida!

Ela saltou em dimensão incomensurável explodindo em significados não-metafóricos totalmente verdadeiros Ela é o “insight” que permeia os pensamentos, indagações, buscas de respostas que, talvez, nunca chegarão ao coração, contudo permanecem. Ela sinaliza também o recado de amor sob a certeza de viver em outra essência para tantos afins amados, são os questionamentos preenchidos, carinhosos afagos na mente que  viaja com a dimensão da luz.

A esperança pousou em minha vida!

Como eu desejei um sinal igual aos anseios de tanto tempo atrás: a mesma imagem pequenina que se instalou nos meus castelos de sonhos infantis e se expandiu diante de meus olhos extasiados de surpresa como o aviso de boas novas, de confirmação do porvir de luz.

E por isso eu acreditei. Sempre!

Observo aquele ponto verde claro no teclado que pousou diante de meus olhos desestimulados de vida. Até quando perdurará  a sua essência  nesta noite insone a me fazer companhia?

Até quando a minha incontida dor do e pelo mundo, enganando-se, escutará as fábulas que um Esopo entristecido tentou eterniza-las na Menina que um dia eu fui como enganos dos sentidos e transformou-se numa Faxineira de Ilusões ?

A esperança pousou em minha vida!

Aquieto-me no que vejo... Ela prepara-se para despedir-se de mim na noite insone...

Que poder tem esse bichinho saltador (agora visita as letras b, v, c, x  para alçar voo...) para bailar em minha mente e embaralhar os desenganos e decepções que são companheiros constantes e indesejados  em mim? Por que agora permanece intacta (apenas os olhos movimentam-se...) como a esperança irreal e tênue que ampara minhas quimeras?

Que poder tem  o verde e frágil inseto que, mesmo depois que foi em busca de outro espaço,  deixou a sua mensagem e voou, voou, voou?

Seria um recado que quis deixar ? Quem saberá responder ao meu coração se acertei no entendimento de seu pouso na tela do computador na noite que não me deixa dormir?

A esperança pousou em minha vida!

Verde, frágil, uma bailarina natural (como a minha borboleta bicolor que um dia pousou e pereceu na parece), o encantamento de minh’alma.

Eu precisava desta visita!

Ana Virgínia Santiago é jornalista, poeta e cronista no sul da Bahia.


Ana Virgínia Santiago

Crédito: Divulgação

 
Mais Notícias
   11/6/2017 - Um canto que é pranto meu!
   6/6/2017 - Devaneios da Faxineira de Ilusões e o Menino que se foi
   27/5/2017 - Monólogo da Faxineira de Ilusões II
   20/5/2017 - A Faxineira de Ilusões e a chuva
   15/5/2017 - Fragmentos, a fuga do sono e os livros
   7/5/2017 - Faxineira de Ilusões - A Mulher e a solidão em um dia de reflexão
   13/2/2016 - Deixem Thayná em paz!
   14/12/2015 - Meus longes e as gavetas
   2/11/2015 - A volta e o Anjo
   17/4/2015 - Conversando com uma menina - Para Bárbara
   13/3/2015 - Tempo
   28/2/2015 - Fragmentos de Esperança
   21/2/2015 - Fragmentos, a fuga do sono e os livros
   5/2/2015 - Reencontros com a Faxineira de Ilusões II
   31/1/2015 - Reencontros da Faxineira de Ilusões
   23/1/2015 - A chuva e as lembranças de uma mulher
   15/1/2015 - A Faxineira de Ilusões e a música do menino
   11/1/2015 - A manhã de sol e a morte da borboleta
   5/1/2015 - A incredulidade da Faxineira de Ilusões
   25/5/2014 - E ela voltou



© Jornal Bahia Online | Todos os direitos reservados.   Layout