Ana Virgínia Santiago
E ela voltou
Ana Virgínia Santiago

Crédito: Divulgação

Ela estava bem longe.

Viajou mundos, gravou seus olhares nas pessoas, na vida pulsando em atitudes, em palavras, em alguns corpos nus,  em silêncios humanos. 

Algumas vezes, parou, mirou alguns olhares, se viu em outros e respirou fundo  jogando para o alto as saudades que a atormentavam.

Estava tão longe...

Criou laços de afetividade, lutou e sofreu contra  e pelo dualismo das pessoas que passaram por sua vida, despediu-se de universos insanos, sorriu para traços bonitos projetados  pelas idéias, sofreu trapaças, desequilibrou-se  pelos  caminhos incertos que foi encontrando e continuou como um peregrino  ávido do seu nirvana.

Foi, parou, descansou, prosseguiu. Por tanto tempo seguiu a intuição de buscar e conhecer. Mas tinha um lamento silencioso que lhe falava, que queria voltar. Talvez para reencontrar as passadas que deixou marcadas nas gentes de sua aldeia ou para aplacar o turbilhão de gritos que desarmonizava com a sua fome de ir, ir, ir.

Estava vivendo os caminhos que traçou distante dos longes de sua aldeia. E conheceu e sofreu e sorriu. E como aprendeu pois foi para tantos lugares ,absorveu o  conhecimento de outros pensamentos,  perdeu-se em algumas novas passadas no caminho que ,algumas vezes, eram íngremes e escolheu livremente andar.

E caminhou e caminhou e caminhou. E quis voltar.

Até que, numa manhã qualquer reviu o seu mar, seus céus, suas paisagens que nunca morreram em sua alma. Sentiu suas couraças tremerem, alguns adotivos desafetos envelhecidos e marcados pelo próprio feitiço moral , olhou, de soslaio,  para as passadas pesadas e desequilibradas que eles marcavam nos passeios sujos e descuidados de sua aldeia.

Voltou e iniciou seus reencontros e suas buscas. 

Pelas praças, por becos da memória, por casas não mais encontradas, por pessoas que não mais estava ali. E fechou os olhos abrindo a audição para ouvir os silêncios que lhes eram permitidos e nunca esquecidos.

Passos e paradas. Surpresas e desencantos por tanto que a encantou um dia. Mas seus!

Tempo de buscas, de reencontros.

Tempo de reencontro com sua vastidão de sentimentos remexidos  em sua volta à aldeia.

Tempo de encontrar olhares conhecidos, ouvir suas histórias relembrando algumas  onde eram personagens  vivenciados.

Eu, Faxineira de Ilusões a vi de longe caminhando como se desbravasse seu chão.

E já era noite quando  reapareceu diante de mim. Parou na praça onde a imponência de uma construção chora as atitudes que ali acontecem anos e anos. Parou no espaço onde sempre  conversávamos e  ouvíamos a alegria de infantes iniciando o aprender. Numa praça que não tem mais o prédio  de um sonho da “dama dos olhos azuis” descaracterizando suas lembranças. 

Com cicatrizes na alma Ela amparou a tristeza optando por conversar, contar seus andares, sorrir com suas quimeras pelas terras que andou e falou e a escutei num silêncio cúmplice.

Escutando-a enxerguei a sua essência (como de  tantas e de tantos  que sonharam muito, adolescendo e dando as mãos a um sentimento nunca encontrado possivelmente  porque a crença na utopia era siamesa de alma ) intocável, livre das amarras das tantas andadas por lugares que conheceu.

Escutei e  feliz a cumprimentei com boas vindas.

Ela voltou.

Ana Virgínia Santiago é jornalista, poeta e cronista no sul da Bahia.

Ana Virgínia Santiago

Crédito: Divulgação

 
Mais Notícias
   20/5/2017 - A Faxineira de Ilusões e a chuva
   15/5/2017 - Fragmentos, a fuga do sono e os livros
   7/5/2017 - Faxineira de Ilusões - A Mulher e a solidão em um dia de reflexão
   13/2/2016 - Deixem Thayná em paz!
   14/12/2015 - Meus longes e as gavetas
   2/11/2015 - A volta e o Anjo
   17/4/2015 - Conversando com uma menina - Para Bárbara
   13/3/2015 - Tempo
   28/2/2015 - Fragmentos de Esperança
   21/2/2015 - Fragmentos, a fuga do sono e os livros
   14/2/2015 - A visita da esperança
   5/2/2015 - Reencontros com a Faxineira de Ilusões II
   31/1/2015 - Reencontros da Faxineira de Ilusões
   23/1/2015 - A chuva e as lembranças de uma mulher
   15/1/2015 - A Faxineira de Ilusões e a música do menino
   11/1/2015 - A manhã de sol e a morte da borboleta
   5/1/2015 - A incredulidade da Faxineira de Ilusões
   6/5/2014 - O meu maio de luz - Para a minha mãe que não vive mais aqui
   25/4/2014 - O espanto na volta à sua aldeia
   12/4/2014 - A chuva e seus mistérios



© Jornal Bahia Online | Todos os direitos reservados.   Layout